Não é novidade para ninguém o quanto amo minha profissão. Ser psicóloga significa entrar no mundo do outro e acompanhá-lo no processo de olhar para sua história de uma forma diferente, libertando aquilo que já não faz mais sentido continuar presente e descobrindo novas formas de ser e estar no mundo.

Algumas pessoas me perguntam se não é difícil ou cansativo sentar e ouvir problemas o dia todo. Mas um bom psicóloga não escuta problemas e sim possibilidades. Aos olhos de quem está de fora, pode parecer mais um trabalho de rotina: ir ao mesmo consultório, sentar-se na mesma poltrona e dialogar com o cliente por 50 minutos. Mas a verdade é que o trabalho terapêutico nunca se repete. Você sabe por quê? Porque nós seres humanos somos fascinantes e estamos num eterno processo de mudança. Como o próprio nome diz: processo – “ação continuada, realização contínua e prolongada de alguma atividade; seguimento, curso, decurso”. Ou como já dizia o poeta e filósofo Rumi, nós não somos uma gota no oceano e sim o oceano inteiro em uma gota. E eis o caráter dinâmico da terapia. A pessoa que está ali, não será a mesma na próxima semana pois estamos sempre crescendo, sempre aprendendo, sempre em mudança. No entanto, por mais que ame meu trabalho, sei que existem certos mitos e estigmas com relação à psicoterapia e gostaria de esclarecer alguns pontos para os novos clientes antes da primeira sessão. Vamos lá?

1) A primeira sessão geralmente é a mais tensa

Você entra ali e está diante de um completo estranho, cercado de mitos, medos e expectativas. “Será que ela está me julgando? Me analisando? Será que ela sabe o que estou pensando, sem ao menos eu ter falado nada?”
Esses medos e receios são completamentes normais, especialmente quando existe um mito de que psicólogo sabe “ler” pessoas e adivinhar pensamentos, mas lembre-se psicólogo e um ser humano como outro qualquer e ele não tem bola de cristal.
Ainda na primeira sessão, é comum que o psicóloga alinhe as expectativas à realidade. A medida em que a relação é construída, o vínculo e confiança são formados e esse desconforto vai desaparecendo.

2)  Você não está louco

A vida só é dura às vezes.
Mesmo com todos os esforços de combater o estigma relacionado à saúde mental, ainda existe uma ideia muito forte que psicoterapia ou psicotrópicos estão associados à loucura. Cuidar da sua saúde mental deveria ser motivo de orgulho e não de vergonha.
A vida nem sempre é fácil, aliás, a vida pode ser bem difícil.
Eu costumo dizer aos meus clientes que além das expectativas frustradas, humilhações, decepções, sonhos perdidos e relacionamentos despedaçados, a vida ainda tem a capacidade de nos arrebatar em plena terça feira, tirando dos pés todo o chão que existia ali.
Então viver é fácil? Não, não… nunca foi e por isso mesmo, vez ou outra, precisamos de ajuda especializada para cuidar da nossa cabecinha, colocar os sentimentos em ordem e aprender novos hábitos para viver de forma mais plena.

3) Terapia pode ajudar qualquer pessoa, mas nem todo terapeuta pode ajudar qualquer pessoa

É verdade. Escolha bem sua psicóloga pois nem todas têm a mesma formação, conduta ética e competências para atender todas as demandas.
Isso porque a psicóloga é uma pessoa que assim como você, estudou e tem experiência em uma determinada área e vai muito do bom senso da terapeuta ser honesto com o cliente e dizer se pode ou não dar início ao processo.
“Mas Camila, como vou escolher uma psicóloga se eu nem a conheço?”
Procure referências, pergunte aos amigos, pesquise no Google e se sentir melhor, pergunte no final da primeira sessão se ela tem condições de te ajudar. A relação será construída na base da confiança e se você se sentir seguro, ótimo.
Esse assunto nos leva ao terceiro ponto:

4) Você tem todo direito de não ir com a cara da psicóloga

É extremamente importante que você saiba disso. Conheço pessoas que superaram obstáculos para entrar no processo terapêutico e depois da primeira sessão, simplesmente abandonaram sem planos para voltar.
E o pior de tudo: geralmente vão embora do consultório se sentindo pior do que entraram, com a convicção de que a terapia não é lugar para elas e que não existe salvação.
Querida leitora, você é uma pessoinha e antes disso, é um animalzinho com instintos que simpatizam com outras pessoinhas (ou não) pela cara, pelo jeito de falar e andar e também pelo cheiro.
Pode ser que a sua psicóloga tenha o mesmo nariz que aquela professora rude da escola, ou use o mesmo perfume que aquela vendedora mal educada tentou te empurrar uma vez e por esses mínimos detalhes, você simplesmente não foi com a cara dela.
E tá tudo bem.
Se você não se sentiu confortável, agradeça a conversa, quando terminar a sessão levante seu bumbum e vá atrás de outra psicóloga que você se sinta mais confortável na presença.
Mas alerta!
Se o santo não bateu com duas ou três psicólogas diferentes, talvez seja importante comentar com a próxima o que vem acontecendo. Pode ser que exista alguma coisa na sua forma de se relacionar que esteja prejudicando o processo. É sempre bom ser honesto na sua terapia.
O que nos leva ao próximo tópico:

5) Se tem algo te incomodando na terapia, fale!

Certa vez, uma prima querida minha me pediu indicação de psicólogos na cidade dela. Eu sabia de um muito bom, professor e autor de vários livros e fiz a recomendação.
Nas primeiras sessões, ela estava em êxtase. Super animada com o processo e a condução do tal psicólogo-fodão. Alguns meses depois, me ligou dizendo que estava se sentindo desconfortável, pois ele abordou alguns temas de um jeito X que ela não gostou.
Minha prima estava em dúvida se abandonava a terapia, procurava outro psicólogo ou conversava com ele. Minha resposta?
Conversa, claro! É extremamente enriquecedor quando o cliente fala para o psicóloga aquilo que o desagrada. E esse falar, criticar ou questionar o terapeuta pode ser demonstração de saúde mental e não de outra coisa.
Existem pessoas que são tão retraídas ou receosas de desagradar o outro, que preferem não falar para não gerar conflito. Ali é o ambiente perfeito para aprender a questionar, a se posicionar ou bater de frente, sem sofrer qualquer tipo de consequência depois.
Então lembre-se: se alguma coisa te desagradar na terapia, converse com a terapeuta. Ela está ali por você e para você. Richard Hycner diz que o psicóloga está sempre a serviço
do cliente e não dele mesmo. O seu progresso é progresso dele.

6) O psicóloga não vai resolver seus problemas – mas vai te empoderar para que você mesmo resolva

Seria maravilhoso se nós tivéssemos uma varinha de condão para deixar todos aqueles que cruzam meu caminho mais leves, felizes e bem resolvidos.
Masss eu e vejo sabemos que não é assim que funciona. O nosso trabalho consiste em estar presente com você e suas dores e validar sua experiência.
Criamos um ambiente para conseguir observar essas dores de um novo ponto de vista e em um desses olhares existe a sua força, seu desejo latente, sua escolha que talvez não fosse tão perceptível a olhos nus.
Me veio à mente um caleidoscópio que ganhei de minha mãe num passeio ao circo quando ainda era criança. Acho que ele representa bem o nosso trabalho de terapeuta. Coloca o olhinho, observa as formas, gira. Novos formatos são criados, observa, aprecia, descreve, gira de novo.
E você, assim como o caleidoscópio, possui tantas possibilidades de configuração que nos leva ao penúltimo item:

7) Sua psicóloga não vai te julgar

As pessoas geralmente hesitam em contar segredos ou coisas que se envergonham porque nunca tiveram coragem de compartilhar com outras pessoas e esperam que a reação seja a pior possível.
Relatar eventos difíceis é complicado para qualquer um. Mas saiba que a terapia é um local seguro e faz parte do nosso trabalho acolher e respeitar seu passado, seus pensamentos, ações e experiências. E existe a possibilidade de já termos ouvido algo semelhante antes.
Se a vida fosse uma partida de futebol, sua psicóloga jogaria no seu time e isso significa que não importa o que você compartilha, ela ainda assim estará ao seu lado, te apoiando e dando suporte para que você termine a partida.
Espero que considere útil ter esses conhecimentos antes da sua primeira sessão de terapia.
Se você está procurando terapia por algum motivo, eu te encorajo a marcar uma sessão com alguém da sua escolha. Considero que será de grande valia na sua caminhada.
Agora me conte: está mais preparado para cuidar um pouquinho mais da sua saúde mental?
Agradeço a leitura e fico feliz em compartilhar esses momentos com você.
Desejo luz no seu caminho =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*